Presidente da Ceagesp recebe Ibrahort e CNTM

Encontro levou as principais demandas do setor em relação às centrais atacadistas

O diretor-presidente da Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (CEAGESP), Ricardo Mello Araújo, recebeu o Ibrahort e a Comissão Nacional do Tomate de Mesa nesta segunda-feira, 23 de agosto, para tratar de melhorias para a comercialização de hortaliças nas centrais de abastecimento. O diretor administrativo financeiro da Ceagesp, Glauco Tsuneimatu e o chefe da Seção de Qualidade, Gabriel Bitencourt, também estiveram presentes.

Participaram o vice-presidente do Ibrahort e diretor da CNTM, Lauro Andrade, o presidente da CNTM, José Nelson Mallmann, juntamente com o diretor executivo do Ibrahort, Manoel Oliveira e demais diretores da CNTM: Ricardo Pereira e Edson Trebeschi. José Luiz Batista, associado Ibrahort e permissionário Ceagesp, os consultores agrícolas Marcos Ferreira (Mallmann Tomates) e João Roberto do Amaral (Irmãos Andrade).

O Ceagesp, associado Ibrahort desde 2012, é o maior entreposto da América Latina, é um estratégico canal de comercialização de hortaliças. Na oportunidade, foi apresentado à equipe de gestão as principais demandas do setor no âmbito das ceasas, além da apresentação do Diagnóstico do Tomate de Mesa – estudo realizado pelo Cepea/Esalq-Usp, sob encomenda do Ibrahort/CNTM com patrocínio da UPL.

Ricardo Mello Araújo afirmou o compromisso da Ceagesp em atuar para atender as demandas do setor, que afirmou o compromisso em realizar melhorias constantes para garantir boas condições de comercialização, visando sempre a segurança dos alimentos que chegam à mesa do consumidor.

Pauta:

  • Criação de peso padrão (kg) para comercialização de tomate de mesa;
  • Exigência de rastreabilidade para todos os produtos FLV, conforme INC 02-2018/INC 01-2019;
  • Exigência de etiquetagem/rotulagem, conforme legislação vigente, para todas as embalagens que adentram a central de abastecimento;
  • Proibição de entrada e saída de embalagens de madeira e papelão reutilizadas, conforme legislação vigente;
  • Controle efetivo de entrada e saída de mercadorias com nota fiscal;
  • Proibição de comercialização de produtos provenientes de lavouras cujo produtor foi enquadrado na lista de trabalho escravo do Ministério do Trabalho;
  • Discussão com o MAPA e demais órgãos de fiscalização para que implemente um programa de análise laboratorial de multiresíduos, microbiologico e metais pesados efetivo e permanente na CEAGESP;
  • Realizar programas de capacitação de boas práticas para os permissionários;
  • Manutenção da limpeza e higienização das áreas de vivência e comercialização e implementação do Programa 5S;
  • Revisão e ativação de programa de qualidade de participação compulsória para os permissionários.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp